Mahrco Monteiro

Ousado, carismático, um artista de muitas facetas a acima de tudo dono de uma voz privilegiada. Marco Antônio Monteiro Gurjão, este carioca de Jacarepaguá, veio para Belém aos dois anos de idade, póstero de uma família de músicos (sua mãe cantava, seu tio era saxofonista, seu tio Bebé era violoncelista e seu tio-bisavô, Henrique Gurjão, era maestro).
Em 1970 volta ao Rio de Janeiro para cursar a faculdade de Química Industrial e de Licenciatura em Matemática, quando decide tentar carreira artística participando de dois festivais, o VI encontro da RIOTUR, com a música "Mar Aberto", se classificado entre os quinze melhores intérpretes e o primeiro festival da Rádio Nacional, com o samba "Canto Negro" de autoria de João da Mata.

As dificuldades são muitas. Em 1983 decide voltar a Belém. Em abril, numa canja em um bar da cidade, ao lado de seu tio Capucho, conhece então o empresário e produtor musical Roberto Fish, que o convida para lançar seu trabalho profissionalmente, surge então: Marco Monteiro.

Há cinco anos sem gravar CD solo, Mahrco Monteiro finalmente lança “PESQUEIRO DO EQUADOR”. O trabalho é um divisor de águas em sua carreira e resultado de uma pesquisa cuidadosa realizada durante este tempo sobre ritmos e compositores da região e principalmente da determinação do artista em assumir definitivamente sua postura com relação à música hoje produzida em nosso estado já consolidada definitivamente no cenário nacional.

O disco tem uma proposta arrojada e a intenção de mostrar a música de raiz feita na Amazônia com uma roupagem mais moderna, universal, numa linguagem Word music, em outro momento a idéia é trazer o pop urbano concebido na região norte, numa demonstração das nossas diversas tendências musicais, mais especificamente em Belém. Produzido por Adelbert Carneiro, sem dúvidas um dos produtores mais competentes do norte do país e que assina os arranjos, o CD tem a direção artística de Nilson Chaves e, a direção geral de Roberto Fish.

No repertório Mahrco mistura vários ritmos e passeia por diversos estilos musicais como o carimbó, guitarradas, marabaixo, zoulk, pop e mostra todo o seu charme e beleza vocal em canções belíssimas, que através de sua interpretação emocionam quem as escuta como na abertura do CD em OS PRESENTES de Kleber Albuquerque, seguida de CHAVIANA de Neuber Uchôa, PESQUEIRO DO EQUADOR de Lulucha Martins e Avelino Vanetta, PRETINHA de Marcelo Ferreira, BOA SORTE de Almizinho Gabriel, CAROÇO DE TUCUMÃ de Mahrco Monteiro, ALVORADA de Marrombrasileiro, COLO DE RIO de Marcelo Ferreira e Ênio Flavio Mol, MATANÇA de Jatobá, PELAS BEIRAS de Neuber Uchôa, MANGA VERDE de Nilson Chaves, 44 DO 2º TEMPO de Almino Henrique, DE NAZARÉ e PRECISAVA VER de Vital Lima. Mahrco Monteiro mostra nestes vinte anos de carreira, toda experiência e prestigio adquirido, pois, trás em seu novo trabalho participações especialíssimas como Vital Lima na faixa título “PESQUEIRO DO EQUADOR”, Nilson Chaves nas faixas MATANÇA e CAROÇO DE TUCUMÃ, tem nos vocais algumas das principais estrelas da música paraense, entre elas Lucinnha Bastos, Edmar (Mosaico de Ravena) Simone Almeida e ainda M G Calibre e o sensacional Trio Manarí. Na programação de eletrônicas Vinicius Cohen.

Nos teclados Edgar Matos, violões e guitarras Figueiredo Jr., banjo, violões e guitarras David Amorim, sax e flauta Esdras de Souza, bateria Edvaldo Cavalcante e Dan Costa, Percussões Marcio Jardim, Kleber Benigno e Nazaco Costa e nos vocais Daniel Araújo e Suelene. O disco foi todo gravado nos estúdios APCE em Belém do Pará com os técnicos Marquinho e Assis Figueiredo, mixado no Rio de Janeiro na Sala de Justiça por Alex Moreira do grupo musical BOSSACUCANOVA e masterizado em São Paulo pela Pro Áudio.

Baixe aqui o CD "Água de Coco"